Frei António Baptista Abrantes

ABRANTES, Fr. António Baptista (1737, Abrantes – 1813?, Rio de Janeiro), às vezes referido como Fr. Baptista do Rosário, membro da congregação franciscana e primeiro professor da cadeira de língua árabe, instituída no Convento de N.S. de Jesus em Lisboa, centro de Estudos Orientais na altura.

Começou o estudo do Árabe cerca de 1768, beneficiando do ensino dos mestres estrangeiros, entre outros, do Maronita Paulo Hodar.

Iniciou o seu magistério em 1772. Para a regência do curso elaborou a primeira gramática Instituições da Lingua Arabiga para o Uso das Escolas da Congregação da Terceira Ordem (1774). Este livro de 370 páginas, seguiu o modelo clássico do arabista holandês Erpenius, e perante a escassez de materiais didácticos, à semelhança de outros autores da época, Abrantes, incluiu na gramática o texto do primeiro salmo de David em Árabe.

Instituições da Lingua Arabiga de Fr. António Baptista (1774)
Instituições da Lingua Arabiga de Fr. António Baptista (1774)

A abolição do Plano de Estudos, introduzido por Frei Manuel do Cenáculo, levou à interrupção do ensino do Árabe em 1780.

Abrantes, nomeado Definidor da sua Ordem esteve envolvido na construção e organização da biblioteca do Convento de N.S. de Jesus.

Em 1788 foi nomeado confessor da Princesa Viúva, D. Mariana Benedicta, em 1792, Capelão-mor das Armadas Reais e, em 1794, confessor da Princesa Carlota Joaquina e, nesta qualidade, acompanhou a Família Real portuguesa para o Brasil, em 1807.

E-M.v.K

Bibl.: SALGADO, Fr. V. (1790), pp. 70, 76; TRIGOSO, S.F. Mendo (1815), p. LIV; SILVA, F. I. (1858), Tomo I, p. 93; SILVESTRE RIBEIRO, J. (1872), vol. II, p. 250; FIGANIER, J. (1945), p. 120; MARCADÉ, J. (1978), p. 42; SIDARUS, A. (1986), p. 42; KEMNITZ, E-M. von (2010), pp. 333-342, 425-426

Anúncios